Saturday, April 29, 2006

E ainda dizem que a História não se contradiz...

Dois sites dizem coisas um bocadinho diferentes sobre a mesma pessoa. Sua Alteza Real, D. Manuel II o último Rei da IV Dinastia de Portugal, está no centro da polémeica...

O site da Fundação D. Manuel II (que seguramente conhece o seu patrono) diz:

Em 4 de Setembro de 1913, Dom Manuel II casou com D. Augusta Vitoria pelo civil e mais tarde pelo religioso, cerimónia essa que foi presidida pelo antigo cardeal-patriarca de Lisboa D. José Neto, exilado em Sevilha.A 2 de Junho de 1932 Dom Manuel II morreu em Londres devido a doença prolongada.

Mas o site da Wikipédia diz antes que:

Faleceu inesperadamente na sua residência, em 2 de Julho de 1932, vítima de um edema da glote.

Ou morreu de doença prolongada, ou morreu inesperadamente??? Os dois sites concordam quanto ao papel de estima que D. Manuel II teve para como Portugal, preocupando-se com os assuntos do país que o exilou (medo por certo)...

Eu vou dando noticias...

O Fidalgo

Friday, April 28, 2006

O Fidalgo, sempre bem informado, soube que a ESTATUNA esteve no ISEG no dia 27/o4/2006. E a actução, ao que parece, foi muito bom. Divertida, descontraída, animada, como só a ESTATUNA sabe ser...
Mas o calendário de festas continua! Para a semana a ESTATUNA vai estar no dia 04/05/2006 no Festival de Tunas organizado pela Fortuna (Tuna da Universidade Nova de Lisboa) e no dia 05/05/2006 a ESTATUNA vai estar no Parque Natural de S. Lourenço (Abrantes) para animar todos.

Fica também aqui a data do VII fESTA, dia 13 de Maio no Teatro Municipal de S. Pedro. Não se atrase, porque esgota...
O Fidalgo

Wednesday, April 26, 2006

Abrantinos não querem fESTA, paciência...

A ESTATUNA está de Parabéns. Depois de algumas semans mais dificeis, os patrocinadores começam a surgir e o Fidalgo tem que dar os Parabéns a todos eles. Sem vocês, sonhar era impossível...

Sem desistir, os Tunos e os chospras lançaram-se numa luta para "apanhar" todas as réstias de luz...

Agora é so desejar felicidades ao VII fESTA... Eles (entidades oficiais, mais alguns) podem não querer, mas a fESTA vai continuar...

Ahhh!!!! Mas houve alguns excelsos abrantinos que contribuiram... A eles um Muitissimo obrigado. Cotinuamos receptivos a patrocinios, quem quiser entre em contacto com o Fidalgo, que a ESTATUNA entra em contacto consigo...

Saudações Académicas,

Saudações Monárquicas,

Saudações Nacionais

O Fidalgo

Tuesday, April 25, 2006

O Fidalgo assinala hoje os 32 anos da Revolução dos Cravos. A Liberdade saiu à rua... Saiu tanto á rua que muitas das novas gerações não sabem sequer o que se passou... Sabem que é feriado; que não vão às aulas; que não vão fazer absolutamente nada, mas so sabem isso. É altura de lhes avivar a memória...

Só espero que a Liberdade seja para todos, e que os Monárquicos também se possam exprimir em igualdade de circunstânicas... Está na altura de pensar na revisão do 288º Artigo da Constituição Portuguesa.

Viva a Revolução! Viva a Liberdade! Viva o Rei!

O Fidalgo

Friday, April 21, 2006


Uma das bandeiras mais belas de toda a Europa... E está metida numa gaveta!
Ó País de gente sem gosto e sem senso...
A bandeira que veneram, que cantam aos sete ventos foi feita num café...
Foi votada em concurso...
O simbolismo dela veio de pois!!!
Não vêem isso?
Esta bandeira é uma evolução...
O vermelho da dita "bandeira oficial" significa o sangue dos nosso herois... Mas Portugal é mais um povo de Paz [Branco], do que um povo de guerra. E não esqueçamos que somos um povo de navegadores [Azul].
Quando é que percebem, de uma vez por todas, os símbolos do vosso país?

Mostra que queres mudar...

A Monarqua existe... E está tão perto de nós...

Thursday, April 20, 2006

O maior dos mistérios na vida de um monárquico em Portugal, e perceber o que diferencia a imagem régia da imagem Presidencial...
Claro que um Rei tem mais presença, do que um Presidente da República
Claro que um Rei une mais a Nação, do que um Presidente da República
Claro que um Rei é mais isento de influências partidárias, do que um Presidente da República
Claro que um Rei é [diz a revista EXAME] mais económico, do que um Presidente da República
Calro que um Rei é Internacionalmente mais representativo, do que um Presidente da República
Ahhhh!!!! Um Rei é mesmo diferente de um Presidente da Repúbica... E nós continuamos a querer ser governados em segunda classe??? Quando o bilhete para o TGV do progresso está tão perto...

Pense!!! O Fidalgo está aqui para ajudar...

E prometo continuar...
O Fidalgo
VII fESTA adiado...

O VII fESTA foi adiado para dia 13 de Maio [em Abrantes e não na Cova de Iria]. Motivo? Os tão falados patrocinios continuam por chegar...
As respostas a muitas perguntas saem hoje 20/4/2006 no Jornal Regional "Primeira Linha", na 5ª página...
Tenham boas leituras!
O Fidalgo

Sunday, April 16, 2006

E aqui está a imagem de D. Luís... Este é o retrato oficial do homem a quem deram o cognome de "O Popular"! Com uma imagem destas, fica tudo explicado... Monarquia volta...

A busca continua...

Continuei as minhas pesquisas pela Internet, sobre o monarca D. Luís e eis quando encontro isto no site da Real Associação de Lisboa, a quem desde já agradeço a gentileza das informações cedidas.

E agora? Vejam como algumas coisas mudam!!!! E é o mesmo homem... Em que é que ficamos? Quem fala verdade? Quem mente? Leia e diga o que pensa...


"O POPULAR" 32º REI DE PORTUGAL; 20º DUQUE DE BRAGANÇA

Nasceu em Lisboa a 31 de Outubro de 1838 no Palácio das Necessidades e morreu na Cidadela de Cascais a 19 de Outubro de 1889.
Até à morte de seu irmão, o rei D. Pedro V, era o Infante D. Luiz o 1º Duque do Porto e Duque de Saxónia. Destinado à carreira da Armada, após a conclusão dos estudos foi investido como comandante de um brigue e posteriormente da corveta Bartolomeu Dias.
Assume o governo e convoca Cortes em 1861, após a morte de seu irmão.
No reinado de D. Luiz realizaram-se grandes melhoramentos e importantes reformas, que muito contribuíram para o progresso material e moral da Nação:
Foi alargada a rede de estradas, de caminhos de ferro e de telegrafia eléctrica
Construíram-se as pontes de ferro sobre o rio Douro e
Construiu-se o Palácio de Cristal, no Porto
Aumentou-se a nossa marinha de guerra
Criaram-se escolas primárias, agrícolas e industriais, bem como bancos de crédito
Aboliu-se a pena de morte para os crimes civis, o que motivou uma carta de Vítor Hugo, grande escritor francês, a felicitar a Nação
Revogou-se a pena de trabalhos públicos na metrópole e a escravidão em todos os domínios do reino
Aumentou-se a nossa legislação com a publicação do Código Civil, etc..
O Governo de D. Luiz distinguiu-se ainda pelas grandes explorações cientificas que se efectuaram através do Continente Africano.
O Major de Infantaria, Alexandre Serpa Pinto, realizou a viagem de Luanda ao Natal em 1879 e os oficiais de Marinha, Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens exploraram em 1885 todo o sertão de Moçâmedes a Quelimane, num percurso de 4 500 milhas. Estas viagens causaram a admiração na Europa e glorificaram o nome de Portugal.
Em Maio de 1886 a França assinou com Portugal um tratado, pelo qual era assegurado o exercício da nossa influência e soberania no território descoberto por aqueles notáveis exploradores (Serpa Pinto, Capelo e Ivens) e estabeleceu a ligação por terra, entre as duas zonas de Angola e Moçambique. Esse território é conhecido pela designação de "Mapa Côr-de-Rosa" por ser essa a côr que o evidenciava num mapa que apareceu apenso àquele tratado.
Em Dezembro do mesmo ano, assinava-se um novo tratado com a Alemanha em que esta potência também nos reconhecia os direitos que a França já nos tinha assegurado.
Verifica-se pelo exposto que o domínio sobre o "Mapa Côr-de-Rosa" estava portanto garantido.
Durante este reinado efectuaram-se na África Portuguesa diversas campanhas contra os indígenas rebeldes. Destacam-se as mais notáveis:
Em 1872 são os Demos derrotados pelo tenente-coronel Gomes de Almeida e Capitão Nunes da Mata.
Em 1874 foram submetidos os indígenas de Malange e Ambaca pelos Majores Teixeira Beltrão e Nunes da Mata.
No mesmo ano são subjugados os povos do Humbe pelo Capitão Pedro Chaves.
Em 1888 Augusto Castilho promove a campanha da Zambézia.
Em 1889 é aprisionado o régulo do Cubango pelo Tenente Artur de Paiva.
Ainda em 1889 João de Azevedo Coutinho submete os Macololos.
No seu reinado realizaram-se as pomposas cerimónias em 1880 que comemoraram o 3º Centenário da morte do poeta Luís de Camões.

O Fidalgo

Wednesday, April 12, 2006

D. Luís... O monarca que ninguém conhece...

Istro é aquilo que a wikipédia sabe sobre um dos Monarcas mais fascinantes da no História!!! Eu, um dia, vou trazer mais informações... É só esperar...

D. Luís I (31 de Outubro de 1838 - 19 de Outubro de 1889), de seu nome completo Luís Filipe Maria Fernando Pedro de Alcântara António Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis João Augusto Júlio Valfando de Bragança, foi o segundo filho da rainha Maria II da Glória e de Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha. Luís herdou o trono depois da morte do seu irmão mais velho, Pedro V de Portugal em 1861. Ficou conhecido como O Popular; Eça de Queirós chamou-lhe O Bom.
Luís era um homem culto e de educação esmerada, como todos os seus irmãos. Não era, no entanto, um político e não soube ser o contra-peso nas intrigas e instabilidade política que se viviam no parlamento do reino. Durante o seu reinado, existiram vários governos oscilando entre o
Partido Progressista (liberais) e o Partido Regenerador (conservadores), sendo que este último tinha o favor do monarca.
D. Luís era principalmente um homem das ciências, com uma paixão pela
oceanografia. Investiu grande parte da sua fortuna no financiamento de projectos científicos e de barcos de pesquisa oceanográfica, que viajaram pelos oceanos em busca de espécimes.
Jaz no
Panteão dos Braganças, no mosteiro de São Vicente de Fora em Lisboa.
[
editar]

Descendência
De sua mulher,
Maria Pia de Sabóia, princesa da Sardenha e do Piemonte (1847-1911)
Carlos I, rei de Portugal (1863-1908)
Afonso de Bragança, Duque do Porto (1865-1920)

Luís, rei de Portugal

O Fidalgo

Tuesday, April 11, 2006

VII fESTA em risco!!!

Procuram-se patrocinios para o VII fEsta um dos maiores eventos culturais da cidade de Abrantes. A pequenez de algumas entidades empresariais locais está a dificultar a vida aos estudantes-artistas da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes. Reconhecidos como os grandes embaixadores da Instituição, que os irá apoiar com um patrocinio, os membros da Tuna esperam agora por melhores noticias...

É de lembrar que este ano a Vicentuna (Lisboa) e a Infantina (Faro) são algumas das tunas convidadas a concurso... Uma selecção que mostra a qualidade que o fEsta já atingiu... Bom procuram-se patrocinadores... Ajude!!! Não se vai arrepender

Entre em contacto através do Blog, que entraremos em contacto consigo... A ESTATUNA, através da AEESTA, emite recibos.

Está feito o pedido...

Ajude, se puder!!!

O Fidalgo

Monday, April 10, 2006

A ESTATUNA ganhou no 9º Real Festa, festival de Tunas organizado pela Tum'Acanenica, o prémio de Melhor Passacalhes (???). Num festival onde a Vicentuna foi senhora e Rainha, e onde provou o pessecú de Abrantes, reinou a boa disposição de uma grande Tuna, com apenas 6 anos de existência.

Promete a todos os membros da Tum'Acanénica, em nome do Oráculo, dono e senhor deste Blog, que volto à cidade para fazer mais previsões... Há gente a quem não vi o futuro... Mas não vão perder por esperar...

Senhores e senhoras!!! Sejam felizes.

O Fidalgo
Para a Lia

Ria, sorria
Falava, andava.
Teu nome e teu rosto
Não me abandonava.
Prisão de cristal?
Prisão de lamento?
Numa palavra,
Todo o sentimento.


Arte, amar-te
Ver-te, desejar-te.
Num segundo teus olhos ver,
Numa eternidade, teus lábios esquecer.
Num pensar fugaz
Amor ou paixão?
Tanto faz!
Se a solidão,
Nada mais me traz.


Estrela matinal,
Sol da tarde longa,
Lua final,
De um poema em tua honra.
Um amor esquecido...
Quem sabe perdido?
Quem sabe recordação?
Ria, sorria
Falava, andava.
E da janela
Doce Lia,
Quando eu te via,
Não mais te esquecia...
Nada mais interessava!
O Fidalgo
"O Fidalgo" é um espaço onde todos têm opinião, sem censuras. Pelo "Fidalgo" vão passar textos criativos, artigos de opinião, algumas revelações... O Fidalgo está de olho e nada, neste triste República, vai ficar no mesmo sitio, agora que o Fidalgo chegou. Este blog também vai ser usado para passar mensagens aos meus colegas de Comunicação Social da ESTA!

Até um dia, que vai ser breve...

P.S. Este blog substitui o "real-realidade"!